NIC.br apresenta módulos da TIC Domicílios 2007 sobre Segurança na Rede, Email e Spam


27 MAR 2008



29% dos internautas declararam ter enfrentado problemas de segurança na rede; essa proporção aumenta segundo o grau de instrução e renda

O Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR - NIC.br ( http://www.nic.br ), apresenta os números sobre Segurança na Rede, Uso do Email e Spam da 3ª Pesquisa Sobre Uso das Tecnologias da Informação e da Comunicação no Brasil, a TIC Domicílios 2007. A pesquisa reúne os indicadores sobre a disponibilidade e uso da Internet com a finalidade de avaliar e monitorar o desenvolvimento da rede no país.

"A iniciativa tem como objetivo acompanhar a evolução da Internet no Brasil e fornecer subsídios para a elaboração de políticas públicas que garantam o acesso e uso da rede, assim como a participação democrática de cidadãos e países na sociedade do conhecimento", afirma Mariana Balboni, gerente do CETIC.br (Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação).

Confira todos os detalhes em: http://www.cetic.br/usuarios/tic/2007/destaques-seguranca-tic-2007.pdf

Todos os resultados da pesquisa estão disponíveis em http://www.cetic.br/

Segurança na Rede
A proporção dos internautas que relataram já haver passado por algum tipo de problema de segurança na rede foi de 29% em 2007, o que demonstra um aumento de três pontos percentuais anuais em relação às duas pesquisas anteriores realizadas pelo CETIC.br. "A tendência de crescimento se manifesta mesmo se considerarmos que as novas gerações de malwares são cada vez mais difíceis de serem detectadas quando infectam um computador", explica Mariana.

Segundo a gerente do CETIC.br, a proporção de pessoas que afirmou ter enfrentado algum problema de segurança no uso da Internet aumenta segundo o grau de instrução e a faixa de renda de renda familiar. "Em 2007, 46% dos respondentes que têm nível superior disseram ter passado por algum problema de segurança, enquanto somente 12% dos analfabetos e pessoas que cursaram até a educação infantil perceberam este tipo de problema", ressalta.

Outro importante aspecto relacionado à incidência dos problemas está ligado à freqüência de uso da Internet, dado que de acordo com a pesquisa, 43% dos que usaram a rede diariamente declararam ter enfrentado problemas de segurança contra 14% dos que utilizaram a Internet uma vez por semana. "Isto sugere que a percepção dos problemas está relacionada ao uso freqüente da rede, que por sua vez também está associado a fatores socioeconômicos: são justamente os indivíduos de maior renda e escolaridade que usam a rede com maior freqüência", comenta Mariana.

A maioria dos problemas de segurança reportados em 2007 se refere aos ataques de vírus, alcançando 27% das declarações dos internautas (ou 94% de todos os problemas citados). Apesar da referência exclusiva aos vírus dentre todos os códigos maliciosos, vale lembrar que nesta categoria encontram-se também os Cavalos de Tróia, Worms, Bots, Keyloggers e Spywares, que são comumente confundidos pelos usuários com um vírus. Em segundo lugar estão as dificuldades ligadas ao uso indevido de informações pessoais enviadas ou disponibilizadas na Internet, com 2% das declarações, seguido pelas fraudes bancárias, de cartão de crédito ou outro tipo de fraude financeira (1%).

A utilização do antivírus como medida de segurança foi mencionada por 75% dos entrevistados que têm computador em casa, um número ainda pequeno se considerado que esta é uma medida de segurança básica. Porém, este percentual é superior ao registrado em 2006, quando a prática era adotada somente por 70% dos internautas.

Uso do Email
Em 2007, 83% daqueles que usaram Internet nos três meses anteriores à pesquisa possuíam conta de email; em 2005 este percentual era de 73%. "O crescimento indica que o email tornou-se uma forma de comunicação mais popular nos últimos anos, acompanhando o uso da Internet para atividades de comunicação, que passou de 78% em 2006 para 89% em 2007", analisa Mariana.

A pesquisa aponta outro fato importante, o da popularização do email em decorrência do crescimento das contas de email gratuitas, que atingiram 76% dos internautas em 2007.

Spam
Quase a metade das pessoas que possuem conta de emails afirmou receber spams (48%), número que tem se mantido relativamente constante nos últimos três anos, apesar da ação dos provedores de emails pagos e gratuitos na filtragem de mensagens não-solicitadas.

Na opinião dos indivíduos que informaram ter recebido spams, o maior problema foi o gasto desnecessário de tempo (69%). Em segundo lugar está o transtorno pelo conteúdo impróprio ou ofensivo (33%). 21% dos entrevistados declararam ter enfrentado problemas com perdas de email ou arquivos importantes. Somente 10% apontou o custo com programas de proteção anti-spam, tempo de conexão etc. Interessante notar que apesar do incômodo à maioria dos usuários, existe uma proporção de entrevistados que recebe spam e que disseram gostar de recebê-los (20%).

Metodologia
Produzido pelo Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação (CETIC.br), o estudo foi realizado entre os meses de setembro e novembro de 2007 e investigou 17 mil domicílios na zona urbana, entrevistando pessoas com 10 anos ou mais, nas cinco regiões do país. A amostra foi desenhada com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE.

A pesquisa foi realizada em parceria com a Ipsos Public Affairs e manteve o padrão metodológico internacional da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) e da Eurostat (Instituto de Estatísticas da Comissão Européia). A TIC 2007 contou, ainda, com a colaboração do Observatório para a Sociedade da Informação na América Latina e Caribe (OSILAC), da Comissão Econômica para a América Latina e Caribe das Nações Unidas (CEPAL), que trabalha com o desenvolvimento dos indicadores-chave das Tecnologias da Informação e da Comunicação, aprovados na Cúpula Mundial da Sociedade da Informação (CMSI), em 2005.

Sobre o CETIC.br
O Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação - CETIC.br - é responsável pela produção de indicadores e estatísticas sobre a disponibilidade e uso da Internet no Brasil, divulgando análises e informações periódicas sobre o desenvolvimento da rede no país.

Sobre o Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR - NIC.br
O Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR - NIC.br ( http://www.nic.br ) é uma entidade civil, sem fins lucrativos, criada para implementar as decisões e projetos do Comitê Gestor da Internet no Brasil - CGI.br ( http://www.cgi.br ), que é o responsável por coordenar e integrar as iniciativas de serviços da Internet no país. O NIC.br responde pelo registro de nomes de domínio - Registro.br ( http://www.registro.br ), pelo Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil - CERT.br ( http://www.cert.br ), pelo Centro de Estudos e Pesquisas em Tecnologia de Redes e Operações - CEPTRO.br ( http://www.ceptro.br ) e pelo Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação - CETIC.br ( http://www.cetic.br ), cujo objetivo é produzir e divulgar informações e estatísticas sobre a disponibilidade e o uso da Internet no país.

Sobre o Comitê Gestor da Internet no Brasil
O Comitê Gestor da Internet no Brasil coordena e integra todas as iniciativas de serviços Internet no país, promovendo a qualidade técnica, a inovação e a disseminação dos serviços ofertados.

Mais informações em http://www.cgi.br/.

Contatos para a imprensa - CGI.br:
S2 Comunicação Integrada - http://www.s2.com.br
Veronica Cassavia - veronicac@s2.com.br
José Luiz Schiavoni (MTb 14.119) - joseluiz@s2.com.br